12 dezembro 2012

Resenha: Loucamente Sua - Rachel Gibson

Postado por Carolina Ctfra às 15:44 4 comentários
Título: Loucamente sua
Autor: Rachel Gibson
Editora: Jardim dos livros
Páginas: 343
Classificação: ★★★★☆



Nick Alegrezza é fruto de um relacionamento fora do casamento de Henrry Shaw, prefeito da cidade, e, por isso, não foi reconhecido por ele. Sendo assim, Nick cresce cheio de mágoas e acaba fazendo coisas erradas durante sua infância para conseguir chamar atenção. Depois de algum tempo Herry casa novamente, com a mãe de Delaney, a por isso a menina recebe boa educação e roupas caras, ou seja, é tratada como princesa. Delaney sempre fez tudo que seus pais mandavam, mas nunca teve livre arbítrio para tomar decisões sobre sua vida, já que seu padrasto era muito controlador. Em certa noite ela percebe está perdendo sua juventude e que mesmo assim seus pais não reconhecem que ela é uma filha maravilhosa e, por isso, resolve sair para se divertir. Durante o passeio ela encontra Nick e a noite acaba sendo uma confusão e um grande mal entendido. No dia seguinte, a cidade toda está comentando sobre eles e Delaney por se sentir constrangida e por querer tomar as rédeas de sua vida, resolve ir embora da cidade.

Eles passam 10 anos sem ter contato, mas Henrry morre e, por isso, Delaney tem que voltar para a cidade. Na hora de ler o testamento todos ficam surpresos ao descobrirem que Herry deixou parte de sua herança para Delaney, mas com a condição de que ela permaneça em Truly por um ano. Além disso, outra parte da herança é deixada para Nick, mas com a condição de ele não manter relações sexuais com Delaney e, se algum deles descumprirem essas exigências não terá direito a herança. Será que eles vão conseguir ficar separados e ganhar a herança?
"Agora tudo que ela tinha que fazer era escolher.Dinheiro ou a alma dela.Há meia hora ela teria dito que a alma dela não estava à venda,mas isso foi antes de ouvir o preço dado. Agora, as linhasde repente se apagaram, e ela não sabia mais o que pensar." Página 60
A narrativa é rápida, leve, envolvente e, por isso, é impossível parar de ler. A autora consegue dosar os momentos de amor com as brigas, os momentos divertidos (que são muitos!) com os momentos para refletir. O livro apresenta muitas cenas de sexo e por isso não é recomendado para menores de 18 anos, porém não tem o estilo de Cinquênta Tons de Cinza. Em Loucamente Sua conseguimos perceber que os personagens realmente estão apaixonados e, por isso, o sexo se torna uma consequência. O enredo é totalmente previsível, mas eu garanto que o desenvolvimento e as risadas que o livro vai te permitir vale a pena.


O trabalho da Geração Editorial – sob o selo Jardim dos Livros – é bastante contraditório. Por um lado a editora fez um ótimo trabalho, afinal a capa é maravilhosa e a diagramação é simples, mas de boa qualidade. Por outro lado, em algumas partes da estória a tradução foi feita ao pé da letra e, por isso, acabaram ficando confusas. Essa editora já lançou outros livros da Rachel Gibson e que também apresentaram erros de digitação, mas se compararmos “Loucamente Sua” com “Sem Clima para o Amor” vamos perceber que a editora está tentando corrigir os erros e que a qualidade dos livros está melhorando. Por isso, eu não vou desistir de comprar livros da Geração Editorial. Além disso, a obra é muito boa e supera os erros, por isso, eu indico Loucamente Sua!


Ebook disponível na biblioteca

08 dezembro 2012

Entre Aspas: Meia noite

Postado por Carolina Ctfra às 13:48 0 comentários

Há quem diga que ninguém é insubstituível, que pessoas entram e saem das nossas vidas o tempo todo. E realmente, de certa forma isso é verdade. Para que pessoas possam entrar em nossas vidas, outras precisam sair. Desocupar lugares, trocar as posições, as prioridades e todo o resto que acumula com o tempo. Há quem diga que a arte imita a vida e há quem diga que a vida imita a arte. Os filmes, por exemplo, contam histórias vezes reais, vezes não. Você vai ao cinema - ou compra um dvd -, compra pipoca e assiste a uma história. Uma história que não é sua, mas que muitas vezes se parece com a sua. Ou se não se parece com a sua, se parece com a de alguém que você conhece. Ou ainda, se não se parece com nada, te faz derramar algumas lágrimas e desejar que a sua história se parecesse com aquela. Aí as lágrimas percorrem o seu rosto e se misturam com a pipoca. Seja na história do cara mais popular da escola que se apaixona pela bobinha, ou na história da garota que se apaixona pelo ídolo, ou na do garoto que ama a melhor amiga, ou na da garota que ainda ama o ex namorado, ou na história de amor quem alguém morre no final. Ou vice e versa. No final do filme ou você está chorando desesperadamente por não ter um amor de cinema, ou você sai acreditando que o amor existe. Que em algum lugar do mundo ele existe e que algum dia você vai encontrá-lo. A função desses filmes - além de lucrar - é alimentar esperanças e sonhos. É fazer as pessoas acreditarem em algo realmente bom e verdadeiro. É plantar em cada pessoa uma fé inabalável em qualquer coisa que seja. A questão é que as histórias da vida real não são como nos filmes. Pelo menos não inteiramente. A síntese pode até ser parecida, mas cada história tem seus desdobramentos e singularmente, seus finais. Há quem diga que as histórias se repetem. Sim, elas até se repetem. Mas os personagens não são os mesmos, os sentimentos não são os mesmos e principalmente os finais não são os mesmos. Algumas histórias podem até se repetir, mas a essência de cada uma delas é única e os responsáveis por isso são aqueles que a integram. Gostar de uma pessoa pode ser divertido, inebriante, doloroso, difícil ou complicado. Depende de cada história, depende de cada ser. Só tem uma coisa mais complicada que gostar de alguém: Amar alguém. Tá aí uma coisa que os filmes não ensinam: como fazer isso certo. Até porque, existe amar alguém certo? Eu não sei. A vida é cheia de imprevistos, pessoas que vão embora querendo e outras que vão sem querer. Se distanciam. Aí chove de gente te bombardeando com aqueles clichês de que "se foi embora, é porque nunca foi de verdade". Pera aí, quem disse isso? Os filmes, também? Uma hora alguns personagens vão embora, dão um tempo e você precisa substituí-los. E eu digo substituí-los em presença, não em essência. Porque como já foi dito, cada um é singular e tudo aquilo que aquela pessoa representou na sua vida, não pode ser mudado. É história. Mas como todas as coisas vivas do mundo, precisa seguir em frente e precisa preencher os desfalques, para que não fique o vazio. Não fiquem os buracos. Por mais que as histórias se pareçam, isso não garante que elas terminem iguais. Não fique aí só chorando pelas histórias que não são suas, não se baseie nos filmes e nem nos mil conselhos que você recebe por aí. Levanta e vai fazer a sua história do jeito que você quiser, lute por tudo aquilo que você acredita que vale a pena. Por todos aqueles que você acredita quem valem a pena. Não fique esperando o príncipe encantando em um cavalo branco, um Ashton Kutcher da vida com um buquê de cenouras, um Zac Efron para te ajudar a realizar seus 10 últimos desejos antes da meia noite ou o fulaninho que você mais ama te beijar a meia noite do dia 31 de dezembro. Então quando der meia noite, o beije. Realize os seus sonhos por si só, garota. Ou ajude alguém a realizar. Esse é um texto para pedir menos clichês, menos roteiros e mais surpresas. Surpreenda alguém que você ama. Talvez as pessoas não sejam insubstituíveis mesmo, mas elas são únicas e inesquecíveis. Não espere até meia noite para fazer valer a pena.
 
 
Esse texto é da Marie Raya que é apaixonada por escrever e que cursa jornalismo. Ela escreve sobre musica, livros, comportamentos e cria alguns contos, enfim tem um pouco de tudo. Eu garanto que vale a pena conhecer o blog dela.

05 dezembro 2012

Resenha: Um Porto Seguro - Nicholas Sparks

Postado por Carolina Ctfra às 13:57 2 comentários
Título: Um Porto Seguro
Autores: Nicholas Sparks
Editora: Novo Conceito


Número de páginas: 41
Classificação: ★★★☆☆
Katie se instala em Southport, na Carolina do Norte, e passa a viver de forma simples em uma cabana isolada e a trabalhar como garçonete em um restaurante tradicional da cidade. Ela é uma mulher inteligente, educada, misteriosa e que tenta não chamar atenção das pessoas, porém ela é muito bonita e por isso acaba atraindo os olhares, principalmente dos homens.

Alex é aposentado do exército e dono de uma loja de conveniência, mas desde que sua mulher, Carly, faleceu sua vida passou a ser baseada em cuidar dos filhos, Kristen e Josh, para tentar minimizar a falta que eles sentem da mãe.
Certo dia Katie passou a fazer compras na loja de Alex e logo o dono percebeu a beleza da nova cliente, se sentindo atraído por ela. Mas ele não consegue grandes progressos com Katie, pois ela tem um segredo e não se sente pronta para construir uma nova relação e dividir suas dores do passado. Apesar disso, Katie acaba fazendo amizade com sua vizinha Jo, uma mulher que está sempre pronta para escutar seus problemas, dar conselhos e fazer com que ela repare mais em Alex. Dessa forma, aos poucos Katie e Alex vão se conhecendo e acabam se envolvendo, mas o final feliz não vai ser tão fácil assim!


Sou suspeita para falar do Nicholas Sparks porque simplesmente adoro os livros dele, mas confesso que Um Porto Seguro me surpreendeu. Esse livro é sobre superação, recomeço, amor e dificuldades. Além disso, esse foi o primeiro livro do autor que abordou um assunto polêmico e confesso que adorei essa pitada de suspense e ação.

No começo o desfecho parece meio obvio e isso me irritou profundamente, mas logo me encantei pela Kristen e fiquei cada vez mais curiosa para saber o que iria acontecer com a Katie e por isso não conseguia parar de ler. A leitura é gostosa e rápida e no final o autor mostra que o livro não é apenas mais um clichê e surpreende o leitor (o método que ele usou para surpreender não me agrada, mas apenas por eu não acreditar nessas coisas irreais, mas isso dependem de cada pessoa).
“[...] o passado sempre estava à espreita e poderia retornar a qualquer momento. Um passado que cruzava o mundo procurando por ela, e ela sabia que sua fúria crescia a cada dia que passava.” (página 19)
O livro é narrado de forma intercalada, assim podemos conhecer os pontos de vista tanto de Katie quanto de Alex. Porém, em determinada parte a estória passa a ser narrada por um terceiro personagem (não posso contar detalhes dele porque seria spoiler) e então o livro fica muito sombrio. Até ai tudo bem, porque esse personagem realmente precisa passar esse lado assustador, mas os capítulos que ele narra também passam a ser muito repetitivos e foi só por isso que eu tirei algumas estrelinhas na classificação. Mas apesar disso, eu adorei o livro e, mais uma vez, pude ter certeza que independente da temática do livro o Nicholas Sparks sempre vai conseguir encantar e prender o leitor até a última página.

Ebook disponível na biblioteca

29 novembro 2012

Lançamento: Lola e o Garoto da Casa ao Lado

Postado por Carolina Ctfra às 14:44 2 comentários


O livro original chama Lola and the Boy Next Door e chegou a ser anunciado no Brasil como Lola e seu Vizinho, porém muitas pessoas reclamaram sobre a tradução do título e, atendendo à pedidos, a Novo Conceito mudou o nome para Lola e o Garoto da Casa ao Lado. Esse livro é da mesma autora de Anna e o Beijo Francês e do Isla and the Happily Ever After (ainda não lançado no Brasil­) e, apesar de não serem continuação, eles apresentam uma ligação, já que nas três estórias os casais Anna e Étienne e Lola e Cricket aparecerão.

Confiram a sinopse:A designer-revelação Lola Nolan não acredita em moda... ela acredita em trajes. Quanto mais expressiva for a roupa — mais brilhante, mais divertida, mais selvagem — melhor. Mas apesar de o estilo de Lola ser ultrajante, ela é uma filha e amiga dedicada com grandes planos para o futuro. E tudo está muito perfeito (até mesmo com seu namorado roqueiro gostoso) até os gêmeos Bell, Calliope e Cricket, voltarem ao seu bairro.
Quando Cricket — um inventor habilidoso — sai da sombra de sua irmã gêmea e volta para a vida de Lola, ela finalmente precisa conciliar uma vida de sentimentos pelo garoto da porta ao lado”



Book trailes:
 

 
Confesso que não gostei da sinopse e das resenhas sobre o livro Anna e o beijo francês e, por ser da mesma autora, não tive interesse quando lançou Lola e o Garoto da Casa ao Lado. Porém, fiz várias pesquisas na internet para ler diferentes opiniões sobre esse livro e não encontrei nenhuma resenha que criticasse negativamente ou que não desse a maior classificação possível ao livro. Além disso, a Novo Conceito deu vida à personagem e criou um blog para dar dicas sobre moda, maquiagem e afins. Diante disso, eu me rendi aos encantos da Lola e coloquei o livro no topo da lista de comprinhas para 2013.

E vocês, o que acham dos livros da Stephanie Perkins? Pretendem ler Lola e o garoto da Casa ao Lado ou Anna e o beijo Francês? Beijos!

17 novembro 2012

Entre Aspas: Descomplique

Postado por Carolina Ctfra às 11:21 0 comentários

Por que as pessoas têm a estranha mania de querer complicar tudo? Se não tem problema, inventa. Se tá feliz, aguarda a decepção. Se tá amando, quer ser livre. Se é livre, quer se prender.

Nunca entendi porque nós somos assim. Nunca entendi porque você foi assim. Nós não éramos perfeitos, não éramos almas gêmeas e nem como os casais dos livros. Nós éramos... Bem, nós. Do nosso jeito meio estranho, meio afastado, com medo de sentir, com medo de ir em frente. Mas o medo aos poucos deu lugar à confiança. A minha insensibilidade deu lugar a um grande amor. Seu jeito afastado logo quis ficar juntinho. Ai, que saudade.

Todas pessoas que passam por nossas vidas deixam sua marca. E você deixou. Uma cicatriz. Profunda. E sabe qual o problema? Ela não se fecha. Você se foi e eu ainda penso em como teria sido. Você se foi e eu ainda sinto o seu perfume no meu travesseiro. Você se foi e eu ainda vou ao cinema sozinha e fico olhando distante os casais que se beijam e dão risadas gostosas. Não é fácil esquecer o primeiro amor. A pior parte é que não posso culpar o destino ou à distância. Você foi e é o único culpado. Com a sua mania de complicar tudo. Colocar porque em tudo. Colocar ponto final e transformar em reticência. Eu não gosto de reticências, elas me dão insegurança.

Acredita que ainda guardo uma foto nossa na minha gaveta do criado? Olhar nossos sorrisos me lembra do quanto você me fazia bem. Não te quero de volta, acredite. O passado não tem lugar no meu presente. Eu to mudada, sabe? Entrei na academia, faço francês e até arrumei novos amigos. E eu não gosto do que você se tornou. É uma pena que as pessoas mudem tanto. Talvez você tenha se arrependido. Talvez tenha achado o amor da sua vida. Talvez nem se lembre de mim com tanto carinho. Ou talvez um dia admita que não havia necessidade de se complicar o que era pra ser simples. Puro. É talvez.

No fim, somos só mais um amor que se perdeu. Que foi levado. Que nos foi tirado. Somos um amor que não foi forte o bastante. Que não suportou o peso de ser um. Quis voltar a ser dois. Mas não deixou de ser amor.

Descomplique. Não perca uma pessoa especial por medo de errar. Por medo de arriscar. O mundo já tem problema demais para você inventar mais um.


Talvez se a gente não tivesse exagerado a dose, poderíamos ter vivido um grande amor.

Esse texto é da Isabela Freitas que criou um blog para espalhar o desapego e incentivar o amor próprio. Se você está sofrendo por amor ou se quer ler textos maravilhosos para se identificar, garanto que o blog dela é o mais indicado. Está esperando o que para visitar?

14 novembro 2012

Modificando o futuro

Postado por Carolina Ctfra às 12:17 0 comentários
Meninos e homens a gente encontra em todos os lugares, seja na escola, no trabalho, em lojas ou no ponto de ônibus. Não importa o lugar, sempre vamos conhecer novas pessoas que poderão ou não entrar em nossas vidas, mas consequentemente outras irão nos deixar. Sei que é clichê, mas a vida é assim, um eterno ciclo e temos que estar preparados para isso. Às vezes estamos atrasados e não reparamos na pessoa que está atrás da gente na fila do caixa, não reparamos na pessoa que xingamos no trânsito e nem nos colega de escola. Mas podemos estar perdendo grandes oportunidades, afinal o tímido da turma, o péssimo motorista ou o menos inteligente podem ser o grande amor das nossas vidas, mas só vamos saber se começarmos a prestar atenção nas pessoas, nas coisas simples do dia a dia, se pararmos de fazer tudo tão mecanicamente e se pararmos de tentar fazer tudo ao mesmo tempo.
Então se arrume, tire o fone do ouvido, deixe o mau humor de lado, esqueça os problemas, desacelere a sua vida e preste atenção, afinal o seu grande amor pode está te esperando na esquina, mas você só vai saber se começar a notar as “pessoas sem rostos” ao seu lado. Você só vai saber se acreditar, se der uma chance para o amor!

12 novembro 2012

Resenha: Cilada – Harlan Coben

Postado por Carolina Ctfra às 15:39 0 comentários
Título: Cilada
Autor: Harlan Coben

Editora: Sextante/Arqueiro
Páginas: 272

Classificação: ★★★★★




Wendy Tynes é repórter em um programa de televisão que arma ciladas para poder desmascarar pedófilos. Ela tem uma vida ótima, já que é bem sucedida no trabalho e tem uma boa relação com o filho, porém a vida perfeita de Wendy começa a ruir quando ela acusa Dan Mercer de ser um dos maiores criminosos do país. Mercer é um assistente social que ajuda adolescentes, e ao receber um telefonema de uma adolescente pedindo para encontrá-la acaba caindo em uma das armadinhas do programa de Wendy. Apesar de ser julgado e inocentado por falta de provas Dan acaba sendo assassinado e a única testemunha é a repórter que passa a investigar o caso por ter medo de ter acusado e arruinado a vida de um inocente. Paralela a essa estória, temos Haley McWaid uma filha ótima, aluna exemplar que ama esporte e sonha em entrar para uma boa faculdade. Mas certa noite ela não volta para casa e durante três meses ninguém tem nenhuma noticia sobre o seu desaparecimento. Na investigação do assassinato de Dan, algumas evidências conectam-se com a estória de Haley, dessa forma começamos a perceber que todos têm algo a esconder, que nenhum fato pode ser tratado como verdade absoluta e todos os segredos se interligam formando um mosaico de mistério.
“Muitas vezes na vida somos obrigados a fazer julgamentos que não gostaríamos de fazer. E queremos que eles sejam fáceis. Queremos confiar as pessoas em categorias bem definidas, anjos ou monstros, mas quase sempre o buraco é mais embaixo: a verdade está em algum lugar entre dois extremos. E esse é o problema. Os extremos são bem mais fáceis.”
No enredo nos deparamos com diversos assuntos como, por exemplo, a fé, culpa, luto, perdão e amizade e isso acaba fazendo com que o leitor reflita sobre o que ele seria capaz de fazer para conseguir o que quer e sobre o que realmente tem importância na sua vida. O livro é altamente inteligente, intrigante, desafiador e o que faz ele ser tão bom é o fato do autor conseguir fazer uma estória cheia de suspense e mistério mais ao mesmo tempo divertida e leve. Durante a leitura nos apaixonamos por alguns personagens e por isso começamos a tentar solucionar todos os problemas, porém a cada página mudamos o julgamento de quem é culpado e de quem é inocente e por isso o leitor passa a querer ler o livro todo de uma vez, para poder solucionar os mistérios. Mas no livro nada é o que parece e por isso a solução vai surpreender todas as pessoas, mas só será feita nas últimas páginas. Se você ainda nao leu esse livro pare tudo e leia!!

10 novembro 2012

Entre Aspar: Te olhando

Postado por Carolina Ctfra às 11:19 2 comentários


Estou aqui sentada na cadeira da piscina, te olhando e achando graça. Estou achando graça do modo como você está me olhando disfarçadamente, de longe. Fugindo o olhar quando os nossos olhares se encontram, porque você não quer dar o braço a torcer. Nós dois sabemos que foi muito forte o que houve entre nós. Só você que teima em querer me fazer perguntas que só as entrelinhas podem responder. Você deveria saber, você me conhece bem e sabe que eu nunca digo assim, escancaradamente. Letra por letra, falada. Deixa eu te dizer uma coisa, garoto. Escrever para você não significa que eu fique chorando pelos cantos por você ter ido embora. Se você acha que eu passo os fins de semana trancada no quarto escrevendo mil textos para você, está enganado. Eu estou sempre bem acompanhada dos meus bons drinks e dos meus bons amigos. Eu estou sempre rindo alto, dançando até não sentir mais os meus pés e cantando alto. O problema é que tudo isso é pra tentar preencher o vazio que você deixou. E essa minha vida social movimentada é um dos meus métodos para buscar alguém que supere você, que me faça parar de pensar em você. Eu não sofro, dramática e triste, pela sua ausência. Eu penso em você em todos os dias da minha vida, mas eu não sofro. A tristeza não torna o amor mais real ou poético. Eu apenas sinto a sua falta. Sinto falta do seu sorriso doce, das suas mãos quentes, do seu abraço apertado. Eu sinto falta de tudo o que você foi pra mim. Eu te vejo em cada música - por mais boba que seja - em cada história de amor, em cada frase bonitinha e naquele cara da novela das 9. Eu te procuro na rua, no metrô, no supermercado, no shopping e na minha casa. Eu não te encontro. Encontrei esse fim de semana, já que estamos de férias e na casa dos nossos amigos em comum. Aí eu estou te olhando agora. Achando engraçado e sentindo uma coisa linda. Aquela coisa linda que eu sempre senti com você e nunca soube explicar. Sabe, por ser assim, sempre em excesso e nunca compacta, eu canso de sentir sua falta. Canso porque às vezes eu sinto tanto a sua falta, que dói e então eu choro até murchar. Choro até que o meu corpo implore para que eu reponha o líquido. Então, eu me renovo. Amar você não machuca, e sou tão feliz por isso. As minhas amigas vivem me dizendo: "você vai encontrar muitos outros caras por aí, não se preocupa". Eu sei. Todos sabem. Mas eu também sei que nenhum deles vai ser você. Repito garoto: Não é porque te escrevo que te espero pra sempre. Eu tenho muita fome de vida pra desperdiçá-la esperando alguém que talvez não volte nunca mais. Por mais que eu saiba que você volta, que eu volto. Porque no final nós sempre voltamos um para o outro e nos permitimos sentir outra vez. Você foi só o início, eu sei. Durante esses meios outras pessoas surgem, outras pessoas passam e essas mesmas pessoas vão embora. Aí no final é sempre você. Somos sempre nós dois. E por mais que o mundo gire e a vida mude, a gente é pra sempre, mesmo que esse tal de para sempre não exista. Sabe, eu ainda estou te olhando e rindo por dentro. Eu estou sorrindo por fora. E olha só, você não está mais desviando o olhar. Agora nós estamos nos encarando e rindo. É porque a gente sabe que as nossas exatidões não funcionam com mais ninguém. A gente se completa. Eu espero que você não tenha perguntas ou dúvidas. Leia as entrelinhas, a resposta está lá. Eu sei que você sabe. Não precisa questionar, o que é nosso está guardado. Agora, dá licença que eu estou me amando em tempo integral. Ainda sinto sua falta, mas te amo só nas horas vagas. Tem outra pessoa me fazendo mais feliz: Aquela que eu vejo no espelho. Estou te olhando e rindo por dentro, rindo por fora, rindo a toa... Hoje, eu estou me amando demais pra amar você.



Esse texto é da Marie Raya que é apaixonada por escrever e que cursa jornalismo. Ela escreve sobre musica, livros, comportamentos e cria alguns contos, enfim tem um pouco de tudo. Eu garanto que vale a pena conhecer o blog dela.

06 novembro 2012

A solidão que me acompanha

Postado por Carolina Ctfra às 15:06 0 comentários
Não sei o que anda acontecendo comigo. Sempre fui segura, sempre soube o que queria e fazia tudo para alcançar meus objetivos. Mas tudo mudou. Agora estou perdida, não sei o que devo fazer, me sinto sozinha e cada vez mais a solidão toma conta da minha vida. Essa é a verdade: eu estou perdendo as pessoas, perdendo a minha vida, e às vezes acho que estou perdendo até a mim mesma.

Sei que o destino é assim, sempre vamos passar por diferentes fazes e teremos que superar os medos e buscar a melhor opção para seguir em frente. Mas e quando nos perdemos no meio de tanta indecisão? E quando a insegurança toma conta de mim? O que fazer?

Estou em um labirinto e não consigo achar a saída que levará a minha antiga vida. Mas a única certeza que tenho é que, como sempre, vou me recuperar e pode ter certeza que quando isso acontecer vou estar com o cabelo escovado, com o vestido lindo, com uma maquiagem perfeita e com o salto alto. E nesse dia vou ter certeza que superei todos os meus medos e dei a volta por cima e ai, meu bem, pode ter certeza que no lugar dessas lágrimas vai estar um sorriso lindo. O sorriso que poderia ter sido seu, mas não foi!

02 novembro 2012

Como se dar bem no ENEM

Postado por Carolina Ctfra às 16:50 1 comentários
A maioria das pessoas sonham em entrar para faculdade, mas esse processo pode ser estressante e cansativo. Atualmente muitas universidades usam o ENEM (Exame Nacional do Ensino Médio) como vestibular e, por tanto, a disputa fica cada vez mais acirrada.  O ENEM começa amanhã e por isso resolvi fazer um post com as dúvidas mais frequentes e algumas dicas para conseguirem uma boa nota.


O dia antes da prova:

• Se alimente bem e descanse;

• Conheça o local onde você fará a prova e programe-se para chegar com antecedência ao local;

• Procure relaxar, afinal já estudou tudo que podia. Então saia com os amigos, escute músicas, leia um livro ou simplesmente fique a toa, o importante é não estudar e nem se estressar com a prova;

• Separe uma roupa leve e confortável para usar no dia seguinte. Não se esqueça de levar uma blusa de frio para não correr o risco de ser pego desprevenido, já que não dá para saber a hora que você irá acabar a prova;

• Compre alimentos que já estejam acostumados a comer, de preferência alimentos leves como barras de cereal, chocolates e frutas. Além disso, é importante se manter hidratado, portanto não se esqueçam de levar água (para prevenir é melhor tirar o rótulo para não correr o risco de o fiscal achar que pode ter alguma cola);
 

Na hora da prova:

• O único material que pode ser usado durante a prova será uma caneta preta fabricada em material transparente. É importante levar duas canetas e testá-las antes da prova;

• É necessário apresentar um documento de identificação original com foto. Os documentos aceitos são: Cédula de Identidade ou RG, Identidade, Carteira de trabalho e Previdência Social,

Certificado de Reservista, Passaporte, Carteira Nacional de Habilitação com foto;

Procure controlar o tempo. Em algumas provas você tem menos de dois minutos para resolver cada questão! Atenção para não gastar muito tempo em uma questão difícil, enquanto poderia garantir pontos em várias questões mais facieis, portanto se não souber determinada questão chute e passe passe para outra;

• A cabeça no início da prova está mais descansada e isso facilita na resolução de questões mais difíceis. Escolha português (principalmente as de interpretação de texto) e de cálculos (como matemática, estatística e contabilidade);

Preste muita atenção na hora de transcrever as respostas da prova para o gabarito.


RESULTADOS ENEM


Os participantes podem acessar os resultados individuais do Enem 2012, no dia 28 de dezembro de 2012, mediante inserção do número de inscrição e senha ou CPF e senha.


O que anula uma redação:

• Não atender a proposta solicitada;

Desenvolver outra estrutura textual que não seja a solicitada;

• Entregar a folha de redação em branco;

• Escrever menos de 8 linhas;

• Cópia dos textos motivadores apresentados no Caderno de Questão;

Na hora da prova é normal não saber algumas questões, além de apresentar nervosismo e ansiedade. Se você ficar muito aflito durante a prova, é importante parar, respirar, comer uma barrinha de cereal, beber água ou ir ao banheiro e só depois voltar à prova, afinal é melhor perder alguns minutos para se reestabilizar do que comprometer o restante da prova. Se vocês ainda tiverem alguma dúvida ou dicas para o ENEM comente e compartilhe com a gente.

Espero ter esclarecido as principais dúvidas e desejo a todos uma ótima prova!!

30 outubro 2012

Resenha: Apaixonada por Palavras - Paula Pimenta

Postado por Carolina Ctfra às 15:42 0 comentários
Título: Apaixonada por Palavras
Autor: Paula Pimenta

Editora: Gutenberg
Páginas: 159
Classificação: ★★★★☆


Sou suspeita para falar dos livros da Paula Pimenta, porque sou completamente apaixonada pelas temáticas próximas da realidade e pela narrativa leve, que são características de todos os livros da autora. Depois de muitas risadas e lágrimas com a série Fazendo Meu Filme prometi que iria comprar todos os livros da Paula e quando lançou Apaixonada por Palavras eu fui correndo comprar. A primeira coisa que me chamou atenção no livro foi a capa cheia de M&Ms, que é incrível. A segunda coisa que despertou meu interesse foi o fato de ser uma coletânea de crônicas baseadas no dia a dia da autora, confesso que nunca tinha lido crônicas dela e achei muito interessante, pois pude perceber como ela pensava sobre diferentes temas a partir dos anos 2000.
“Antes derramar lágrimas do que ter um rosto constantemente seco e um coração sem sentimento. Antes atravessar uma tormenta que nos sacode e nos faz pensar do que passar pela vida anestesiados. Porque só quem sente a tristeza tem vontade de obter a felicidade. E os poucos momentos em que a alcançamos compensam todas as lágrimas que derramamos no caminho.”                                 
Confesso que não sou muito fã de crônicas, porque elas são baseadas em acontecimentos simples do cotidiano e são textos pequenos, e por isso não dá tempo de desenvolver as características dos personagens e nem os sentimentos deles. Mas a Paula Pimenta me fez perceber que é possível transmitir sentimentos e causar impacto nos leitores com poucas páginas. A única coisa que não gostei foi a repetição de temas como, por exemplo, 2 crônicas falando sobre o primeiro beijo, e uma temática vazia sobre o Big Brother Brasil, afinal nós sabemos que a Paula tem capacidade para fazer textos com assuntos mais impactantes. Fora isso o livro é perfeito, então se você está procurando uma leitura rápida, gostosa e inspiradora eu indico esse livro. Então se você ainda não leu corra e, assim como eu, se apaixone pelas palavras da Paula Pimenta.

28 outubro 2012

Entre Aspas: O grande dia

Postado por Carolina Ctfra às 15:35 0 comentários

Olha, eu quero te pedir pra parar com isso. Não dá mais, não está certo, desse jeito você vai acabar muito machucada. Não quero que você fique ferida ou que as cicatrizes fiquem latejando feito loucas. Você tem que superar, tem que seguir em frente, tem que deixar certas crenças lá atrás, no passado.

Nós sabemos que expectativas demais não fazem bem a ninguém. Muito menos a você, que é tão sensível. Pensei que você tivesse amadurecido um pouco, virado mais mulher, mais adulta, mais firme. Mas não. Você continua aquela criança que gosta de ganhar, que não aceita cara feia, que se magoa com um tom de voz mais elevado, que acha que qualquer coisa é motivo de tristeza. Você continua aquela adolescente com um quê de melancolia no olhar, que sente vontade de bater portas e gritar palavrões quando é contrariada.
Está mais do que na hora de você crescer e encarar a vida de frente. Ninguém vai te ajudar, ninguém é seu porto seguro, sua salvação. Ninguém é seu amigo de verdade. É isso mesmo, as pessoas são egoístas e pensam nelas mesmas. Pensar só nos outros não vai te levar a nada, só vai te trazer mais frustração e sofrimento. Para com isso, por favor, para com isso. Viva a sua vida, deixa a vida do outro, deixa que ele resolva o problema dele, ela resolve o problema dela. Todo mundo é bem grandinho e se não for a vida ensina. Por favor, se preocupe com você, com a sua vida, com seus sonhos que foram assassinados, com seus planos que foram cortados com tesoura e não podem mais ser remendados e colados com cola em bastão. Por favor, deixa os outros pra lá, você não vai salvar ninguém. É sério, não vai.

O mundo lá fora é duro. É cada um por si, é selva, é luta, é intriga. Pega teu escudo e abre a porta, vai pra guerra, vai pra vida, não olha pra trás. Guarda as lembranças em algum cantinho da memória e do coração, cuida bem deles e vai. Para com isso, não fica querendo voltar, resolver as coisas, o que tem que ser será. É isso que dizem e você tem que acreditar em tudo isso. Para, para, chega. Muita gente pode rir junto, contar piada, chorar junto, até mesmo impedir algumas lágrimas, mas ninguém vai te conhecer por inteiro. Ninguém.

As pessoas estão preocupadas demais com suas próprias vidas. Se dizem "amigas", mas não são amigas, a gente sabe bem disso. São conhecidas, parcerias de vodka, companhias de cinema, confidentes. Mas não seriam capazes de imensos sacrifícios por você. Quer saber? Quem faz sacrifício é a sua família - e olhe lá. Quem se sacrifica mesmo é sua mãe, seu pai - e olhe lá. Tem muita mãe e muito pai que não se importam com nada. Você está sozinha, entenda. Sozinha. Não existe amigo, conhecido, homem, mulher, nada que vai te salvar. Nada te salva do grande dia. O grande dia em que você resolve passar a sua vida a limpo e entender quem você é.


Texto da Clarissa Corrêa que cursou Direito e Psicologia, mas descobriu que gosta mesmo é de escrever. Desde então escreve crônicas, contos, receitas e cartas no blog. Vocês também podem encontrar ela no Twitter.

26 outubro 2012

Os ideais do mundo moderno

Postado por Carolina Ctfra às 14:27 0 comentários

Vivemos em uma época que todos insistem em classificar como modernidade, mas o que é ser moderno? O que seria modernidade? Talvez as pessoas n ão tenham entendido o verdadeiro significado disso e por isso acabam surgindo alguns problemas comuns atualmente.

Algumas pessoas acham que para serem classificados como modernas ou descoladas precisam usar roupas curtas, beber, usar drogas, beijar dez em uma noite, ficar de recuperação, falar mentira para a família, dirigir, não se importar com o futuro, ter celulares e roupas de marcas. Mas isso tudo não é ser moderno, pelo contrário, quem pensa assim é atrasado. Ser moderno é se preocupar com o meio ambiente, é se dar o valor, é correr atrás do que quer sem depender de ninguém, é respeitar as diferenças, é não ter medo de viver e de encarar a realidade.

Realmente estamos vivendo na modernidade, afinal no passado nenhuma pessoa imaginava que poderíamos chegar à lua, comunicar com pessoas do outro lado do mundo em tempo real ou que encontraríamos a cura de certas doenças. Mas apesar da tecnologia ter avançado, parece que o ser humano continua estagnado. Como somos capazes de criar softwares incríveis, mas não somos capazes de aceitar a privacidade das outras pessoas? Como somos capazes de criar aviões, mas não somos capazes de aterrissar e aceitar a realidade? Nós somos inteligentes para algumas coisas mais ignorantes para outras, mas eu realmente acredito que possamos formar uma sociedade moderna e madura, basta a gente quer. Então chega de fazer projetos para o futuro, vamos começar a agir! Pare de criticar as pessoas, pare de tentar passar todo mundo para trás, pare de achar que o dinheiro é o mais importante na vida, pare de achar que você pode fazer tudo, acabe com o seu preconceito, acabe com esse rancor, acabe com esse medo de viver, pois só assim você vai poder viver de verdade. Só por hoje tente ser feliz completamente, só por hoje tente fazer outras pessoas felizes. Tente ser maduro, mesmo que seja só por hoje!

23 outubro 2012

Migalhas

Postado por Carolina Ctfra às 16:57 0 comentários
Você sempre soube que eu gostava de você, sempre soube que eu te achava lindo de blusa xadrez, sempre soube que odeio buques de flores e chocolates, sempre soube que odiava regata branca e música sertaneja, que odiava academia e comidas saudáveis, e sempre soube que declarações de amor e demonstrações de sentimentos não eram o meu forte. E mesmo assim você enfrentou o desafio, pegou suas armas – no caso o seu charme e sua inteligência – e partiu para a guerra. Você sempre soube que eu sou como uma bomba pronta para explodir e machucar todos a minha volta, mas mesmo assim você não desistiu. Insistiu, lutou, perdeu algumas batalhas, mas a guerra você venceu. Desativou a bomba e tirou minhas armaduras. Você conseguiu o que nenhum garoto já mais chegou perto, fez com que eu me apaixonasse. Mas eu não mudei completamente, infelizmente você não tem esse poder todo, e mesmo com todo esse sentimento eu não conseguia me expressar, não conseguia demonstrar o quanto eu te amava. Você sempre soube que seria difícil e talvez seja isso que tenha te atraído, afinal como pode uma pessoa perfeita como você se apaixonar por uma pessoa tão complicada como eu? Eu não sei. Eu nunca sei de nada, não entendo o que você fala e muito menos o que deixa nas entrelinhas. Mas você sempre sabe, você sempre entende tudo. Você sempre soube a hora certa de me mandar mensagens fofas e o momento exato de me deixar correr atrás do nosso amor. Você sempre soube quando eu precisava de um abraço e sempre esteve pronto para me dar. Às vezes eu aceitava e outra preferia me afastar. Pois é, eu não entendia nada e não sabia lidar com esse sentimento. Mas você sempre entendeu. Sempre soube que quando eu me afastava era por medo de não conseguir recolocar minhas armaduras, por medo de me afogar em tanto sentimento. Mas você entendia e respeitava minha necessidade de ficar sozinha afinal você sempre soube que eu acabaria voltando. Mas dessa vez vou ter que te desapontar, meu bem, porque eu não nasci para esse amor de novela. Talvez seja por medo de encontrar a felicidade ou talvez por medo de te decepcionar. Para falar a verdade eu não sei do que eu tenho medo, a única certeza que tenho é que você não merece essas migalhas de amor, e por isso resolvi deixar de ser egoísta e te libertar. Por isso, meu bem, quero deixar claro que eu não voltarei amanhã, isso é um adeus.

21 outubro 2012

Entre Aspas: Menina ou mulher?

Postado por Carolina Ctfra às 10:39 1 comentários
 

Às vezes eu paro para pensar, e me pergunto: 'Ainda sou menina? Ou será que já sou mulher?' Aos meus 16 anos, pra completar 17 ainda nesse, eu não sei a resposta. Ou será que sei? Em poucos dias, vou começar a cursar o meu último ano do ensino médio, e depois disso adeus colégio, para sempre. Vai começar toda aquela história de vestibular e faculdade. Tenho que confessar que estou com medo. Literalmente, eu sinto como se estivesse chegando o fim de uma etapa de minha vida, e o início de outra. Eu quero muito me lembrar dessa fase, e eu irei. As melhores recordações possíveis, mas não é disso que tenho medo. O medo é de não conseguir, de ter que caminhar sozinha, pois, querendo ou não, laços serão desfeitos, amigos irão se separar, cada um pra um lado. E eu realmente não quero que essa distância modifique o sentimento de amizade. Acho que tenho medo de crescer, medo de deixar de ser essa eterna criança que eu sou, que não tem medo de nada.Quero prometer a mim mesma, que por mais mulher que eu me torne, que eu nunca deixe ir embora essa menina que habita em mim. Talvez eu seja uma menina que anseia ser mulher, ou talvez uma mulher que queria ser menina. Quem sabe um meio termo disso. Talvez uma menina com maturidade suficiente, e mulher com sonhos de menina. Uma metamorfose. Quero me formar, fazer a faculdade dos meus sonhos, e fazer o que eu realmente gosto. Mas o que é certo? Fazer o que gosta, ou o que sabe fazer? Acho que uma junção das duas coisas.

Mas, apesar de tudo isso, de uma coisa eu tenho certeza. Eu vou lutar, eu vou conseguir, eu vou vencer. Vou me tornar uma mulher independente, bem sucedida, inteligente, e principalmente feliz. Porque quando nós acreditamos e queremos, podemos ser o que quisermos.


Esse texto é da Marie Raya que é apaixonada por escrever e que cursa jornalismo. Ela escreve sobre musica, livros, comportamentos e cria alguns contos, enfim tem um pouco de tudo. Eu garanto que vale a pena conhecer o blog dela.

17 outubro 2012

Amor de verdade

Postado por Carolina Ctfra às 14:26 0 comentários
Não acredito em final feliz. Não sonho em ter o homem mais bonito, inteligente, charmoso e atencioso do mundo. Não quero um homem que deixe de ver o futebol ou que deixe de sair com os amigos para ficar comigo. Não espero um homem que me entenda, que me mande mensagens de madrugada e que lembre da primeira vez que ficamos. Não espero um homem que seja indiferente a minha mania de escrever sobre tudo ou que aceite o meu jeito perfeccionista. Não quero um homem que me ache perfeita e que não ligue para minha TPM.

Não espero encontrar o amor da minha vida exatamente enquanto o sol se põe. Não espero que o amor da minha vida desista de uma viagem de negócios para ir atrás de mim. Não espero acordar no meio da noite com barulho de pedrinhas batendo na minha janela. Não acredito que vamos ter uma música de fundo cada vez que nos encontrarmos. Não espero receber declarações de amor perfeitas em todos os lugares. Não acredito que o canalha da escola possa se apaixonar pela menina tímida e mudar radicalmente do dia para a noite. Não acredito que um homem desista de pegar um avião, atravesse a cidade na chuva apenas para me beijar. Aliás, beijos na chuva são típicos de filmes.

Não acredito e não espero nada disso, afinal essas estórias só acontecem nas comédias românticas e elas só duram 90 minutos. Então espero que a minha estória seja completamente diferente. Quero que o homem da minha vida saia sexta com os amigos, que se esqueça de me mandar mensagens de boa noite e que não abra a porta do carro. Quero que ele fique impaciente com minha TPM, mas que compreenda e me ajude nesse período. Quero que ele saiba o momento certo de me abraçar, mas que respeite quando eu preciso ficar sozinha ou sair com as amigas. Quero um homem que aceite o meu orgulho e entenda que eu sempre vou me amar acima de tudo. Quero um homem cheio de defeitos, mas que também aceite os meus. Quero um homem todo errado, mas que seja o certo para mim. Quero um homem para me acertar, acertar a minha vida, mas, principalmente, acertar o meu coração. Afinal, histórias perfeitas só existem na Disney e, cá entre nós, eu estou longe de ser uma princesa.  Por isso eu espero um homem cheio de problemas e um amor complicado, mas que não seja uma história de amor inventado, que seja um amor de verdade. Que seja a minha história de amor!

15 outubro 2012

Seus fantasmas me assombram

Postado por Carolina Ctfra às 15:36 0 comentários
Você sabe que dia é hoje? Você se lembra da importância desse dia para a gente? Você se lembra de como comemorávamos ele? Claro que não se lembra afinal você esquece muito rápido, e tenho certeza que nesse momento você está em uma festa qualquer comemorando suas novas conquistas. Conquista está que eu desconheço, assim como você desconhece tudo que eu passei depois que tudo acabou. Depois que a gente acabou. Confesso que as lembranças de nós dois estão se perdendo no tempo e eu sei que em breve essa dor no meu peito vai desaparecer. Mas quando acordei hoje e descobri que dia era não teve como não lembrar de cada minuto que passamos juntos. Recordei-me dos beijos na praia, dos carinhos, do seu sorriso torto, das piadas sem graça, da sua covinha, dos presentes trocados e das datas comemorativas. As lembranças estavam fora de foco e algumas até incompleta mas a saudade continua igual, ou melhor, está muito maior. Lembrei-me até do adeus, e para a minha surpresa ele não doeu tanto. Claro que senti calafrios, raiva e até senti uma lágrima escorrer, mas a dor agora é bem menor. Acho que é efeito do tempo, acho que a dor está se transformando em saudade, e fico feliz por isso, afinal só sentimos saudade daquilo que não nos pertence mais, e eu finalmente aceito que você não é mais meu.

Fiquei com vontade de te mandar mensagem, mas não sabia se o seu número ainda era o mesmo. Pensei em te mandar um e-mail, mas lembrei que ninguém lê e-mail. Pensei em te chamar no chat do facebook, mas percebi que você estava offline, e foi nessa hora que a fixa caiu. Eu não tenho que te procurar, descobrir o que mudou em você e nem saber se você se lembra que hoje nós iríamos fazer 2 anos de namoro. Não temos que manter contato, afinal você foi embora, você resolveu ficar offline na minha vida, resolveu que não valia apena lutar por nós dois. E eu tenho que aceitar isso.
Só hoje eu vou me permitir chorar, sentir, reviver e ter esperança. Mas amanha é outro dia, e pode ter certeza que não vou ter outro momento de fraqueza como esse. Hoje percebi que para seguir enfrente preciso fechar esse ciclo, preciso está inteira para que outro possa começar. É por isso que estou escrevendo essa carta, para poder te mostrar que apesar de não ter te esquecido eu estou lutando para isso, e você sabe que eu não desisto até conseguir. Estou te escrevendo para te dar os parabéns, por você ter conseguido o que eu não consegui, amar e esquecer na mesma rapidez. Estou te escrevendo apenas para tirar um peso do meu coração. Estou te escrevendo para me livrar definitivamente de tudo que restou de você em mim, e junto com essa carta estou te devolvendo todos os presentes que você me deu, afinal quando os vejo me esqueço do motivo pelo qual estou tentando te esquecer. Só peço é que você devolva o meu coração e minha alegria que ainda estão com você. Estou te devolvendo tudo, a única coisa que ainda fica aqui é o seu fantasma, que em dias como esse, insiste em me assombrar, mas peço que também fique com ele.
 

Densidade Feminina Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos