05 agosto 2012

A despedida

Postado por Carolina Ctfra às 09:32
Era mais um dia comum. Eu escutava música e mexia na internet quando o telefone tocou. Não precisava ser vidente nem olhar o identificador para saber que era você, com aquela voz animada e rouca que eu adoro, me chamando para sair. Depois de um tempo finalmente nos encontramos. Você, como sempre, estava lindo como uma blusa pólo combinando com seus olhos verdes, calça jeans e barba mal feita. Fomos jantar no nosso restaurante preferido, comemos a mesma comida de sempre e falávamos sobre o nosso dia sem graça. Percorremos o caminho que levava até a minha casa em silêncio apenas nos olhando, e depois você me elogiou como de costume. Tudo comum de mais, simples de mais, mas isso fazia de nós um casal feliz. Foi a partir de então que tudo ficou confuso, diferente da nossa realidade e mesmo agora quando tento lembrar o que aconteceu as palavras e as lembranças desaparecem. Lembro-me que começamos a falar do futuro, e como sempre tínhamos opiniões diferentes, mas isso não nos incomodava, pelo contrario, agente adorava as nossas inúmeras diferenças. Mas algo mudou naquele momento. Começamos a discutir e ao parar enfrente minha casa você disse que precisávamos conversar. Pensei por um momento que iríamos rir de todas nossas as diferenças, como sempre, e que depois você me abraçaria e me levaria até a porta para terminar o nosso dia monótono. Mas não foi isso que aconteceu...

Você me olhou com aqueles olhos verdes maravilhosos e disse que não dava mais, que tudo estava muito complicado e que com as nossas diferenças a gente não iria ter um futuro. As suas palavras não faziam sentido para mim afinal você sempre dizia que eu era complicada, mas que você adorava tentar desvendar os meus mistérios; dizia que o nosso futuro ia ser uma confusão porque iríamos fazer todos os tipos de coisas para poder agradar aos dois. Mas porque você mudou de idéia? O que te fez desistir da nossa história? Você parecia sincero e eu acreditava em tudo, será que mais uma vez me enganei por acreditar tanto no amor? Não sei. Só sei que você começou com aquela cena clichê de que o que tínhamos vivido tinha sido muito especial, que nada iria mudar já que iríamos continuar com a mesma amizade de sempre, que você me amava e que eu merecia coisa muito melhor. Lembro-me de sussurrar algumas palavras para te confortar, mas não me lembro da cena, talvez porque as lágrimas estavam se acumulando em meus olhos e, graças ao meu grande esforço, elas não caiam, dificultando a minha visão.


Dizem que quando está perdendo a vida você vê tudo passando diante dos olhos, mas não foi essa a sensação que tive quando vi você (a minha vida) se afastando. Não me lembrei dos nossos aniversários de namoro, não me lembrei das tardes vendo filme e fazendo carinho, não me lembrei das brigas e nem das reconciliações. Só me lembrava do dia que você entrou na minha vida com esses olhos brilhando e com essa voz rouca e pediu para permanecer. Só percebi que realmente tinha acabado quando os meus olhos não conseguiram mais te enxergar, e então conclui que a despedida tinha finalmente chegado, tão rápido quanto um dia você surgiu na minha vida, o problema é que o amor permaneceu. Apenas dentro de mim.

0 comentários:

Postar um comentário

Se gostou do post comente e faça uma blogueira feliz!
Prometo ler e responder todos os comentários.
Obrigada. Beijos!

 

Densidade Feminina Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos