28 outubro 2012

Entre Aspas: O grande dia

Postado por Carolina Ctfra às 15:35

Olha, eu quero te pedir pra parar com isso. Não dá mais, não está certo, desse jeito você vai acabar muito machucada. Não quero que você fique ferida ou que as cicatrizes fiquem latejando feito loucas. Você tem que superar, tem que seguir em frente, tem que deixar certas crenças lá atrás, no passado.

Nós sabemos que expectativas demais não fazem bem a ninguém. Muito menos a você, que é tão sensível. Pensei que você tivesse amadurecido um pouco, virado mais mulher, mais adulta, mais firme. Mas não. Você continua aquela criança que gosta de ganhar, que não aceita cara feia, que se magoa com um tom de voz mais elevado, que acha que qualquer coisa é motivo de tristeza. Você continua aquela adolescente com um quê de melancolia no olhar, que sente vontade de bater portas e gritar palavrões quando é contrariada.
Está mais do que na hora de você crescer e encarar a vida de frente. Ninguém vai te ajudar, ninguém é seu porto seguro, sua salvação. Ninguém é seu amigo de verdade. É isso mesmo, as pessoas são egoístas e pensam nelas mesmas. Pensar só nos outros não vai te levar a nada, só vai te trazer mais frustração e sofrimento. Para com isso, por favor, para com isso. Viva a sua vida, deixa a vida do outro, deixa que ele resolva o problema dele, ela resolve o problema dela. Todo mundo é bem grandinho e se não for a vida ensina. Por favor, se preocupe com você, com a sua vida, com seus sonhos que foram assassinados, com seus planos que foram cortados com tesoura e não podem mais ser remendados e colados com cola em bastão. Por favor, deixa os outros pra lá, você não vai salvar ninguém. É sério, não vai.

O mundo lá fora é duro. É cada um por si, é selva, é luta, é intriga. Pega teu escudo e abre a porta, vai pra guerra, vai pra vida, não olha pra trás. Guarda as lembranças em algum cantinho da memória e do coração, cuida bem deles e vai. Para com isso, não fica querendo voltar, resolver as coisas, o que tem que ser será. É isso que dizem e você tem que acreditar em tudo isso. Para, para, chega. Muita gente pode rir junto, contar piada, chorar junto, até mesmo impedir algumas lágrimas, mas ninguém vai te conhecer por inteiro. Ninguém.

As pessoas estão preocupadas demais com suas próprias vidas. Se dizem "amigas", mas não são amigas, a gente sabe bem disso. São conhecidas, parcerias de vodka, companhias de cinema, confidentes. Mas não seriam capazes de imensos sacrifícios por você. Quer saber? Quem faz sacrifício é a sua família - e olhe lá. Quem se sacrifica mesmo é sua mãe, seu pai - e olhe lá. Tem muita mãe e muito pai que não se importam com nada. Você está sozinha, entenda. Sozinha. Não existe amigo, conhecido, homem, mulher, nada que vai te salvar. Nada te salva do grande dia. O grande dia em que você resolve passar a sua vida a limpo e entender quem você é.


Texto da Clarissa Corrêa que cursou Direito e Psicologia, mas descobriu que gosta mesmo é de escrever. Desde então escreve crônicas, contos, receitas e cartas no blog. Vocês também podem encontrar ela no Twitter.

0 comentários:

Postar um comentário

Se gostou do post comente e faça uma blogueira feliz!
Prometo ler e responder todos os comentários.
Obrigada. Beijos!

 

Densidade Feminina Copyright © 2012 Design by Antonia Sundrani Vinte e poucos